Um blog pessoal sob a inspiração do pintor belga
RENÉ MAGRITTE
(1898-1967)


pinceladas recentes

meia dúzia

do interminável

do largar (ii)

do largar (i)

dos crivos

todas as pinceladas

meia dúzia
do interminável
do largar (ii)
do largar (i)
dos crivos
dos rascunhos
un moment volé
satélite
domingo
Stockholm Syndrome
I like the way this is going
slow migration south
le temps d’une chanson
anti-oxidante
Se…
how I met
visiodrive
boudoir
c[asa]r
Magritte na minha estante (ix)
na prateleira
[en]carnação
verbo: saber; conjugação
next year's words
playlist
Festas, das boas
sloth
mnhac!
aujourd'OUI
STRAY[ght] line
bathroom reading
Atlântida
canibalismos
renaissance [l’automne]
dis[ex]posição
papagaio
absurdly low consumption [pub]
monstro das bolachas
Munny Magritte
le sens propre
arma de destruição maciça
“This could be the beginning of a beautiful friendship...”
inte[r]valo
ceci n’est pas Amadora
Subversão
A possibilidade de uma ilha
we're a dime in a well [hard to find]
qui m’aime me suive
aucun regret
alibi
Quadro de Magritte roubado em pleno dia
09.09.09
putting out the fire [with gasoline]
o tempo não espera por nós
[dis]connecting the d[.]ts
boxers
Parabéns...
Magritte: O criador de mistérios
sem tamanho nem tempo
Lispector, Clarice
Laughing With
Musée Magritte Museum
Magritte na minha estante (viii)
Magritte na minha estante (vii)
monday’s hangover
fresh blood
piano [lessons]
B(anda)D(esenhada)
le temps et l’espace
April’s fool
honey in the sun
[in]sight
Wri(gh)tE
Tough love
Big Love(r)
33 rpm
Mr. President
Rasganço
Reality bites
Black and blue
MAGRITTE. Il mistero della natura.
Google
I’m you(rs)
Shabbath
C.ª
Scales
Bad things
Tentativa
Trocas
Sem nódoas
Estores fechados
Nowhere
Diabetes
Rochedo
Chewing gum
Trança
Olimpíadas
Valsa
Analgésico
Chegada
Mohawk
Prazos
Acordo ortográfico
Divertimento
Este obscuro objecto de prazer (PUB)
Canto
Volubilidade
Perto
“Enjoo”
(Hi)story
Primeiros socorros
questa storia
Magritte na minha estante (vi)
Partitura
Sincerely nude
Taxa (i)moderadora
Leite
My moon, my man
Pronome
Euro’2008
Granny Smith
To elope
Come into
Tudo
Curiosidade
Ciúme
Beleza e arte
Colômbia ou guilty pleasure
‘Finde’
Ida y vuelta
Pena e terror
Toma!
Ocaso
Aguaceiros
per aspera ad astra
Pesca submarina
Weatherman
Cons-ciência
Insurreição
Co-produção
Moldura
Pinned
At work
Crosswalk
Declaração universal de direitos
On your marks, get set
Liberté
Épatant
Stocked up
Going somewhere slowly
Joyce, James Joyce
Je m’abandonne
Perfect match
Dresstease
Mistérios
Me(mento)
Cœurs
Would you?
Estrela Polar
Madrugada
Ponteiro
Equiva=ências
Snuggle
Ferrugem
A grande pálpebra da noite
Tamanho(s)
Evolução (teorias)
Arrebatamento(s)
Accessorise
Growing into (you)
Nurse
Zeno
Ser(pente)
Enrubescer
Nudge, nudge
To pray
Smoking / No Smoking
Égoïste
My medicine
Porque sim
Hobby
Trivial (pursuit)
Priceless
Forgive. Forget?
Lost and found
Whole
Alentejo
Cinzas
Magritte at the movies
No más!... Más!
Vida ao quadrado
A noite passada
Embaciar
Small world...
Embrulho
Correcting time
Manifesto
Doce nó
Poder/Poder
Convergência
Rasgar
Não ter
Pegajosa
Weird?
Dos demónios
Dicionário
Mr. Hyde
Placenta
Escolha
Saldo
Wild(e)
Rewind
Pela mão
Syrah
Morada
Silogismo
Sonho
Metrónomo
Hora do lanche
aRtE
Âncora
Aqui
Magritte na minha estante (v)
Furto
(In)memoriam
Quilos
Abducted
Céu
Batalha
Relatives
Puzzle
Outono
Out of my mind
Marear
Framed
Ciclo vi(ci/rtu)oso
Trevo
Imitação
Anno Domini
Estúdio
Jardim
Cozinha
Casa de banho
Sala de jantar
Corredor
Quarto
Sala
Magritte na minha estante (iv)
O poder da arte
Pescadores
No rules
Elipse
Velocidade
Ring...! Ring...! Ring...!
Up all night
Bi-ciclo
O lado certo da rua
The path of least resistance
O jogo da glória
Função
Metáfora
Floresta
À boleia
Deus
Colete-de-forças
O dia
A noite
A ferro e fogo
To the end
Religião
Obsolescência
Nada mais
1001 noites
Engenharia
Je sais pas
Falar sem palavras
Ondas
Vitória
Miopia
Suor
Lobo
Acção!
A forma
Absolut obsession
Cronos
100 (sem) anos
Afago
Faxina
Upside down. Inside out.
(non)Solitaire
Em ebulição
Memo
Dissolver
Signo: Aquário, Ascendente: Peixes
Até ao pescoço
#1
On your marks, get set
Subtil? Nem tanto...
A.A.
Achados
My body is your playground
Please, do not disturb
Perder tempo
Do avesso
Hedonismo
Cirurgia
Ummm
Tempestade
A-N-G-E-L-I-V-E-D
Paciência
Hoje
Salvação
Centrípeto
Manipulação
Tântalo
Antídoto
Oxidação
Atletismo espiritual
Aventura
Em tua casa ou na minha?
Barragem
Mola
... e Vinho
Queijo...
Fome
sete-7-sete
O’clock
Pecado
Limonada
B.I.
Black holes and revelations
Quero
À flor da pele
Karma - Dharma
Mínimo denominador comum
Parede
Canaã
Entre - linhas
Fila de supermercado
Candeeiros
Praia
Vermelho sangue
Campo minado
Magritte em Lisboa
Crer - Querer
A grande fuga
Magritte na minha estante (iii)
GPS
Doce
O crime compensa (?)
Máscara
“Impulse”
Magritte na minha estante (ii)
Entupida
Rumor
O primeiro dia
Aceitar
Magritte na minha estante (i)
Entre as pernas
Sem planos
Goldfish
Sem rede, ‘not ready’
Uma ilha
Desculpa(s)
Alvíssaras
Ilusão = Confusão
Feridas
Aprender
Apócrifo
10 min
Medo
Saudade do futuro
Clarividência
Passado e Futuro
Voleur
Profilaxia
Linha de água
Línguas e laços
Nu(a)
De cabeça nas nuvens
Fronteira
Alone
Handle with care
Magia
Distância
Surpresas
Cap ou pas cap?
Íman
Chama
Correios
Sem ar
O outro lado da nuvem
Alice
Lost
Crise
Cartas na mesa
Dilema e Shakespeare
Xiuuu
Cara e coroa
Dias assim
Simples
Principiante
Poker
Recuerdos
Tentar o impossível
Pés frios
Bad Girl, Good Wine
Massagem emocional
Contra os canhões
Of Mice and Men
Colagem
Burroughs a nu
My way
Sweet Magritte
Primavera
Verdade (ii)
Verdade (i)
Experiências
... e copos!
Palavras...
The Magritte Underground
Contexto
Indigo mood (iii)
Indigo mood (ii)
Indigo mood (i)
Descobrir as diferenças
Exposição
La Trahison des Images, 1928-29
Sapatos
Bem-vinda!
Quartetto italiano
A carta astral de Magritte
René and Georgette Magritte (with their dog after the war)
O prazer
Subproduto
Bowler hat
Chuva
Les Vacances de Hegel, 1958
Les Amoureux, 1928
Ceci n’est pas un blog
Biografia
Pré-post

obras

16 Septembre, Le (1955)
A la Suite de L'Eau, Les Nuages (1926)
Abandon, L’ (1929)
Affinités Électives, Les (1933)
Âge des Merveilles, L’ (1926)
Age du Plaisir, L’ (1946)
Aimable Vérité, L’ (1966)
Alphabet des Révélations, L’ (1929)
Alice au Pays des Merveilles (1945)
Amants, Les (1928)
Amants, Les (1928)
Amants IV, Les (1928)
Amour Desarmé, L’ (1935)
Amoureux, Les (1928)
Anniversaire, L’ (1959)
Annonciation, L’ (1930)
Art de la Conversation, L’ (1950, i)
Art de la Conversation, L’ (1950, ii)
Art de Vivre, L’ (1967)
Assassin Menacé, L’ (1926)
Atantat, L’ (1932)
Atlantide, L’ ( 1927)
Au-delà, L’ (1938)
Au Seuil de la Liberté (1929)
Automate, L’ (1929)
Avenir, L’ (1936)
Avenir des Statues, L’ (1937)
Baigneuse (1925)
Baiser, Le (1938)
Bataille de l'Argonne, La (1959)
Bather Between Light and Dark (1938)
Beau Monde, Le (1962)
Bel Canto (1938)
Belle Captive, La (1967)
Belle Idée, La (1963-64)
Belle Saison, La (1961)
Belle Société, La (1966)
Belles Réalités, Les (1964)
Bijoux Indiscrets, Les (1963)
Blanc-Seing, Le (1965)
Boîte à Pandore, La (1951)
Bon Sens, Le (1945)
Bonne Fortune, La (1945)
Bouquet Tout Fait, Le (1957)
Cascade, La (1961)
Ceci est un morceau de fromage (1963-64)
Ceci n’est pas une pomme (1964)
Chambre d'Écoute, La (1952)
Chant d’Amour, Le (1948)
Chant de la Violette, Le (1951)
Charmes du Paysage, Les (1928)
Chasseurs de la Nuit, Les (1928)
Château des Pyrenees, Le (1959)
Chef d'Oeuvre, Le (1929)
Ciel Meutier (collage), Le (1927)
Cinéma Bleu (1925)
Cinquième Saison, La (1943)
Clairvoyance (1936)
Clairvoyance
Clef des Champs, La (1933)
Clef des Songes, La (1927)
Clef des Songes, La (1930)
Colère des Dieux, La (1960)
Condition Humaine, La (1933)
Condition Humaine, La (1935)
Compagnons de la Peur, Les (1942)
Connaissance de l'Absolu, La
Conquerant, Le (1926)
Corde Sensible, La (1960)
Coup au Coeur, Le (1958)
Courtesans Palace, A (1928-9)
Decalcomania (1966)
Découverte, La (1927)
Découverte de Feu, La (1935)
Deux Mystères, Les (1966)
Dieu N'est pas un Saint (1935)
Difficult Crossing, The (1926)
Domaine d’Arnheim, Le (1938)
Domaine Enchanté II, Le (1953)
Domaine Enchanté IV, Le (1953)
Domaine Enchanté V, Le (1953)
Domaine Enchanté VI, Le (1953)
Domaine Enchanté VII, Le (1953)
Domaine Enchanté VIII, Le (1953)
Dormeur Téméraire, Le (1928)
Double Secret, Le (1927)
Doublure de Sommeil, La (1927-28)
Drapeau Noir, Le (1937)
Droit Chemin, Le (1962)
Duo, Le (1928)
Eaux Profondes, Les (1941)
Écuyère, L’ (1922)
Elementary Cosmogany (1949)
Elipse, La (1948)
Eloge de la Dialectique (1936)
Elseneur (1944)
Épaves de l'Ombre, Les (1926)
Embellie, L’ (1962)
Embellie, L’ (?)
Empire des Lumières, L’ (1950)
Empty Picture Frame, The (1937)
En Memoire de Mc Sennett
Enfants Trouvés: Pierreries, Les (1968)
Enfants Trouvés: La Traversée Difficile, Les (1968)
Epreuve du Sommeil, L’ (1927)
Espion, L’ (1928)
Esprit de Géométrie, L’ (1937)
Étape, L’ (1948)
Éternité, L’ (1935)
étude pour “La Clef de Verre” (c.1959)
Evidence Éternelle, L’ (1930)
Evidence Éternelle, L’ (1948)
Exercices spirituels
Explication, L’ (1952)
Famine, La (1948)
Faux Miroir, Le (1928)
Feé Ignorante, La (1956)
Femme, La (1923)
Femme Ayant une Rose à la Place du Coeur, La (1924)
Femme Bouteille, La (1940)
Femme Cachée, La (1929)
Femme Introuvable, La (1928)
Fenêtre, La (1925)
Fils de l'Homme, Le (1964)
Fin des Contemplations, La (1927)
Fissure, La (1949)
Fleche de Zenon, La (1964)
Fleurs du Mal, Les (1946)
Folie Almayer, La (1951)
Folie de Grandeurs, La (1948-49)
Forbidden Universe, The (1943)
Forêt Joyeuse, La (1948)
Galet, Le (1948)
Géante, La (1929-30)
Georgette (1935)
Georgette au Piano (1923)
Grand Air, Le (1963-64)
Grand Matin, Le (1942)
Grande Famille, La (1963)
Grande Guerre, La (1964)
Grande Marée, La (1951)
Grande Nouvelle, La (1926)
Grande Table, La (1962)
Grandes Espérances, Les (1940)
Grands Rendez-Vous, Les (1947)
Golconde (1953)
Gouffre Argenté, Le (1926)
Habitantes du Fleuve, Les (1926)
Heart of the Matter, The (1928)
Heureux Donateur, L’ (1966)
Heureux Présage (1944)
Homme Celebre, L’ (1926)
Homme au Chapeau Melon, L’ (1964)
Homme au Chapeau Melon, L’ (1966-68)
Homme au Journal, L’ (1928)
Homme de la Mer, L’ (1926)
Homme et la Forêt,, L’ (1965)
Idée Fixe, L’ (1927)
Idées Claires, Les (1955)
Idées de l’Acrobate, Les (1928)
Idole, L’ (1965)
Île Aux Trésors, L’ (1942)
Image à la Maison Verte (1944)
Incendie, L’ (1943)
Inondation, L’(1928)
Intelligence, L’ (1946)
Intermission (1927-28)
Invention Collective, L’ (1933)
Invention de la Vie, L’ (1928)
Jeunesse Illustrée, La (1937)
Jockey Perdu, Le (1926)
Joconde, La (1960)
Joueur Secret, Le (1927)
Jeunesse Illustrée, La (1937)
Jeunesse Illustrée, La (1937, ii)
Journal Intime, Le (1964)
Jours Gigantesques, Les (1928)
Kap der Unwetter, Das (1945)
Ladder of Fire, The (1939)
Lampe Philosophique, La (1937)
Landscape (1926)
Lectrice Soumise, La (1928)
Lecture Defanse ou L'Usage de la Parole, La (1936)
Legende des Siécles, La (1950)
Légende Dorée, La (1958)
Liaisons Dangereuses (1926)
Libérateur, Le (1947)
Lola
Lola de Valence (1948)
Lumière des Coïncidences, La (1933)
Lunette d'Approche, La (1963)
Lyrisme, Le (1947)
Magie Noir (1935)
Magie Noire (1945)
Main Heureuse, La (1953)
Maison de Verre, La (1939)
Maître d'École, Le (1954)
Maître du Plaisir, Le (1926)
Mal du Pays, Le (1940)
Malediction (1960)
Marche Triomphale, La (1947-48)
Marches de l’Été, Les (1938)
Mariage du Minuit, Le (1926)
Masque de la Foudre, Le (1965-66)
Meditation, La (1936)
Mémoire, La (1938)
Mémoire, La (1945)
Mémoire, La (1948)
Mémoire, La (1954)
Mille et une Nuits, Les (1946)
Miroir Magique, Le (1929)
Misanthropes, Les (1955)
Modele Rouge, Le (1935)
Moderne (1923)
Mois des Vendanges, Le (1959)
Moisson, La (1943)
Moments Inoubliables du Cinema (1954)
Moments Musicaux (1960)
Monde Invisible, Le (1954)
Morning Awakening
Morceau d'Âme d'un Bandit
Mountaineer, The (1948)
Mouvement Perpétuel (1928)
Musée d’Une Nuit, Le (1927)
Musée du Roi, Le (1966)
Naissance de L'Idole, La (1926)
Natural Thanks (1963)
Nocturne (1925)
Nouvelles Années, Les (1942)
Nuages et Grelots (1951)
Nude (1919)
Oasis, The (1925-1927)
Objets Familiers, Les (1927-28)
Oeil, L’ (1966)
Oiseau de Ciel, L’ (1966)
Olympia, 1947
Ombres, Les (1966)
Origines du Langage, Les (1955)
Page Blanche, La (1967)
Palais des Rideaux, Le (1929)
Panique au Moyen-Age, Une (1927)
Panorama, Le (1931)
Panorama Populaire (1926)
Par un Belle Fin d'Apres-midi (1964)
Parole Donnée, La (1950)
Part du Feu, La (1947)
Parure de l'Orage, La (1927)
Pays des Miracles, Le (1964)
Pélerin, Le (1966)
Personnage Méditant sur la Folie (1928)
Perspective I: Madame Récamier de David (1950)
Perspective II: Balcon de Manet, Le (1950)
Perspective Amoureuse, La (1935)
Philosophie dans le Boudoir, La (1947)
Pink Belles Tattered Skies (1929-30)
Plaine de l'Air, La (1941)
Plaisir, Le (Jeune fille mangeant un oiseau) (1927)
Pom'po pom'po pom po pom po (1947-48)
Porte Ouverte, La (1965)
Portrait, 1935
Portrait d'Alexandre Iolas (1953)
Portrait de Germaine Nellens (1962)
Portrait de Georgette au Bilboq
Portrait de Paul Eluard (1936)
Portrait de Paul Nougé (1927)
Portrait de Stéphy Langui (1961)
Portrait d'Irène Hamoir (1936)
Préméditation, La (1943)
Premier Jour, Le (1943)
Premiers Amours, Les (1961)
Présence d’Esprit, La (1960)
Présent, Le (1938-9)
Prêtre Marié, Le (1966)
Primevère, 1926) Prince des Objets, Le (1927)
Princes de l'Automne, Les (1963)
Prisonnier, Le (1928)
Profondeur du Plaisir, La
Promenades d’Euclide, Les (1955)
Promesse, La (1960)
Psychologist, The (1947)
Querelle des Universaux (1928)
Race Blanche, La (1937)
Raminagrobis (1946)
Recherche de L’Absolu, La (1963)
Recherche de la Vérité, La (1963)
Reconnaissance Infinie, La (1963)
Reconnaissance Infinie, La (1963)
Regard Intérieur, Le (1942)
Rencontres Naturelles, Les (1945)
Reproduction Interdit, La (1937)
Reponse Imprevue, La (1933)
Representation, La (1937)
Retour, Le (1940)
Retour de Flamme, Le (1943)
Réveille-Matin, Le (1957)
Rêveries du Promeneur Solitaire, Les (1926)
Rossignol, Le (1962)
Ruse Symétrique, La (1928)
Sang du Monde, Le (1927)
Sans-titre (i)
Sans-titre (ii, 1926)
Sans-titre (iii, 1968)
Sans-titre (iv)
Sans-titre (v, 1926)
Saveur des Larmes, La (1948)
Scars of Memory, The (1927)
Sea of Flames (1946)
Secret du Cortège, Le (1927)
Séducteur, Le (1953) Sens de la Nuit, Le (1927)
Sens Propre, Le (1929)
Shéhérazade (1948)
Le Siècle des Lumières, Le (1967)
Six Éléments, Les (1928)
Sorcier, Le (1952)
Sortie de l'École, La (1927)
Sourire, Le (1943)
Souvenir de Voyage (1951)
Souvenir de Voyage (1952)
Souvenir de Voyage III (1955)
Stropiat, Le (1948)
Supplice de la Vestale, Le (1927)
Survivant, Le (1948)
Suzanne Spaak (1936)
Table, Ocean, Fruit
Tempête, La (1944)
Temps Manacant, Le (1929)
Temps Traversé, Le (1939)
Tentation de l'Impossible, La (1928)
Terre Promise, La (1947)
Territoire, Le (1957)
Therapeute, Le (1937)
Therapeute, Le (1962)
Thought Which Sees, The (1965)
Titanic Days, The (1928)
Toile de Pénélope, La (1958)
Tombeau des Luteurs, Le (1960)
Trahison des Images, La (1928-29)
Trahison des Images, La (1952)
Trait d'Union, Le ( 1942)
Travaux d'Alexandre, Les (1967)
Univers Démasqué, L’ (1932)
Usage de la Parole, L’ (1927-29)
Usage de la Parole, L’ (1928)
Univers Mental, L (1947)
Vacances de Hegel, Les (1958)
Valeurs Personnelles, Les (1951)
Valse Hésitation, La (1950)
Variante de la Tristesse (1955)
Victoire, La (1938)
Vie Antérieure, La (1944)
Vie des Insectes, La (1947)
Vie Secrète, La (1928)
Viol, Le (1934)
Viol, Le (1967)
Visage du Génie, Le (1926)
Voie Royale, La (1944)
Voies et Moyens; Les
Voix des Airs, La (1931)
Voix du Silence, La (1928 )
Voix du Sang, La (1959)
Voix du Sang, La (versão)
Voleuse, La (1927)
Voyageur, Le (1937)
Woman Bathing (1925)

diversos

Agenda
Baralho de cartas (i)
Baralho de cartas (ii)
Baralho de cartas (iii)
BMW Série 3 Cabrio
Caixa
Calendário
Caneca
Caneta Homer
Capas de álbuns (i)
Capas de álbuns (ii)
Carteira / Mochila
Cartoon (i)
Cartoons (ii)
Chávenas
Chocolates
Chapéu de chuva (i)
Chapéu de chuva (ii)
Cinema
Exposição Bogotá
Exposição LACMA
Exposição 'Magritte and Mariën, my accomplices',
Exposição ‘MAGRITTE. Il mistero della natura.’
Exposição ‘La Subversion des Images’
Fotografia (i)
Fotografia (ii)
Fotografia (iii)
Fotografia (iv)
Fotografia (photomaton)
GNR - Reis do Roque
Google
Gravatas
Homer Simpson Magritte
How I Met Your Mother
Ímanes
Johann Fournier
Jóias
Livro (i)
Livro (ii)
Livro (iii)
Livro (iv)
Livro (v)
Livro (vi)
Livro (vii)
Livros (viii)
Livro (ix)
Livro (x)
Maçã
Magritte arrumado
Meias
MAgriTTA chair, de Sabastian Matta (1970)
MAGRITTE Museum (i)
MAGRITTE Museum (ii)
MAGRITTE Museum (iii)
MAGRITTE Museum (iv)
MAGRITTE Museum (v)
MAGRITTE Museum (vi)
MAGRITTE Museum (vii)
MAGRITTE Museum (viii)
NEW Magritte Museum
Monstro das bolachas
Monty Python
Munny
Música (i)
Música (ii)
Nota
Pins
playlist
PowerBook
Publicidade (i)
Publicidade (ii)
Público, 30 Julho 2009
Público, 25 Setembro 2009
Público, 25 Setembro 2009 [follow-up]
REGINA SPEKTOR – Laughing With
Relógio
Revista Télérama
Sapatos
Selos
Signo
Tapete de rato
Vaca
Vídeo Adobeaca
VW Polo
Wolverine

outras telas

Site oficial
René Magritte Museum
Fondation Magritte

Quinta-feira, 30 de Julho de 2009

Magritte: O criador de mistérios



hoje, no Público





30.07.2009, Lucinda Canelas

O maior dos pintores surrealistas belgas tem finalmente um museu, em Bruxelas. São mais de 250 obras e documentos que mostram como Magritte passou a vida a subverter a realidade. Estão lá os pássaros-céu, as mulheres enigmáticas, os cartazes elegantes que anunciam tardes de tango

As manhãs de domingo são confusas. Há dezenas e dezenas de pessoas em cada um dos andares, as vozes dos guias sobrepõem-se umas às outras e as obras mais conhecidas são praticamente inacessíveis - estão rodeadas de turistas e de alunos de História de Arte, com os seus blocos cheios de esboços e apontamentos. O Museu Magritte, o mais recente pólo do Museu de Belas-Artes da Bélgica, na Place Royale, em Bruxelas, tem apenas dois meses, mas é já apresentado como um caso de sucesso, com os seus 75 mil visitantes.

Para Virginie Devillez, directora de projecto deste museu que nasceu em 2005 na cabeça de Michel Draguet, director do Museu de Belas-Artes, e de Charly Hersovici, presidente da Fundação Magritte, e que começou a ser montado três anos mais tarde, o êxito não é surpreendente. "Bruxelas é uma cidade pequena, mas com pessoas de toda a Europa, com um nível cultural elevado", explica ao P2 por telefone. Muitas dessas pessoas estão habituadas à obra de René Magritte (1898-1967) - em livros e catálogos, na publicidade e no cinema - e algumas até já tiveram oportunidade de estar frente a uma das suas obras, em museus europeus ou americanos, mas "não querem perder a oportunidade de ver tantos quadros juntos de um dos pintores mais reproduzidos do mundo".

O novo Museu Magritte tem a maior colecção de obras do pintor surrealista belga. São 250 pinturas, esculturas, desenhos, posters, fotografias e outros documentos, incluindo dezenas de manuscritos e até pautas ilustradas, distribuídos por três níveis de exposição (ao todo são 2500 metros quadrados), segundo um programa que procurou aliar a organização temática à cronológica, apostando na componente cenográfica, inspirada na obra do próprio pintor. "O tom escuro das paredes vem directamente d' O Império das Luzes, é ele que faz sobressair os quadros como se fossem jóias", diz Devillez.

As jóias, garante a directora deste projecto, que custou sete milhões de euros e junta dois dos mais importantes acervos de obras de Magritte - o da sua viúva, Georgette, e o de Iréne Harmoir-Scutenaire, viúva de Louis, um dos maiores amigos do pintor - e empréstimos de várias colecções privadas, podem ser alguns dos quadros mais importantes (como Le Domaine d'Arnheim ou Le Retour), cartas íntimas ou fotografias do casal Magritte. "Neste museu, que, por causa da mistura de material biográfico e documental com a obra, pode parecer mais uma exposição temporária do que permanente, a vida de Magritte é importantíssima, porque ajuda a contextualizar os vários períodos de criação", explica Devillez. "Sem compreendermos a vida, as mudanças que ela trouxe, não podemos compreender o artista", diz, acrescentando que a palavra "compreender", quando usada em relação à obra de Magritte, é sempre "vaga" e "dúbia" - só o simples esforço de compreensão por parte do visitante irritaria o artista, que preferia que a sua pintura fosse sentida como poesia e não analisada como uma substância qualquer na bancada de um laboratório. O que Magritte faz a cada quadro, a cada um dos deliciosos filmes exibidos no museu (como o que nos mostra Irène Hamoir comendo uma banana), é desafiar quem o observa, com uma irreverência que parece ter tanto de cerebral como de infantil. É com essa irreverência que se propõe subverter a realidade a partir das coisas simples do dia-a-dia, um jogo de criança que transporta para a vida adulta.

Começo difícil
"Não consigo pensar em circunstância alguma que possa ter determinado a minha personalidade ou a minha arte. Não acredito no 'determinismo'", diz o pintor, num dos muitos aforismos distribuídos pelas paredes do museu. Magritte não gostava que críticos e jornalistas procurassem explicar a sua arte a partir da sua vida, nem que tentassem encontrar numa reflexos da outra. Mas esse processo, irresistível para especialistas como Marcel Paquet e Patrick Roegiers, é quase sempre inevitável. Magritte nasceu no Sul da Bélgica, em 1898, numa família de baixos recursos, com um pai alfaiate e uma mãe modista de chapéus. Por natureza calado e tímido, Magritte e os seus dois irmãos mudaram frequentemente de casa com os pais, que procuravam dar-lhes uma vida melhor. Adeline, a mãe, preocupava-se com a educação dos seus três rapazes, mas cedo deixou de os acompanhar - suicidou-se quando Magritte era ainda um adolescente (teria 13 ou 14 anos, os dados divergem). As memórias mais fortes desses primeiros anos, haveria de contar mais tarde, diziam respeito a uma caixa cheia de objectos que ficava sempre junto ao seu berço, a um balão de ar quente pousado no telhado da sua casa, e ao rosto da mãe coberto por um pano quando retiraram o seu corpo do rio (há quem veja uma relação evidente entre este momento e quadros como Os Amantes, de 1928).

É a pintar que Magritte se sente livre. Começara a estudar pintura em 1910, em Châtelet, e continuara, três anos mais tarde, em Charleroi, quando já começava a ser evidente o poder que tinham sobre ele as aventuras de Fântomas, as viagens de Robert Louis Stevenson e o universo literário de Edgar Allan Poe.

Já andava na Academia de Belas-Artes há mais de dois anos quando decidiu fazer os primeiros quadros, inicialmente cubistas, depois futuristas. Começa a dar-se com alguns pintores e poetas, entre os quais E.L.T. Mesens, marca duradoura na sua vida e no seu trabalho, tal como Marcel Leconte.

Enquanto estuda e anda pelos cafés de Bruxelas, em tertúlias e discussões políticas (aderiu duas vezes ao Partido Comunista, para o qual chegou a desenhar cartazes, que nunca foram aceites), Magritte vai formando o seu imaginário, em que a realidade aparece invertida. "Quer mostrar o mistério da vida", explica Devillez, "mas só para provar que ela é estranha e importante."

Na fachada de um dos cafés que Magritte e o seu grupo frequentavam - La Fleur en Papier Doré, na Rue des Alexiens - brinca-se com a histórica ligação do maior dos surrealistas belgas (é assim que é descrito) àquele pequeno espaço que ainda mantém a decoração original, com a sua lareira rude e velhas molduras nas paredes amareladas, cobertas de colagens e de frases encorajadoras: "Todo o homem tem direito a 24 horas de liberdade por dia."

"Isto não é um museu: aqui consome-se...", diz a parede exterior, que fica colada à da florista. Há ruas e praças do centro da cidade, como as do bairro de Le Sablon, em que o pintor do chapéu de coco - imagem de marca de Magritte (lembram-se do quadro Le Fils de L'Homme, de 1964, que aparece no filme O Caso Tomas Crown?) - se instalou na montra de livrarias, lojas de chocolate e clubes de xadrez, paixão que o autor de L'Oiseau de Ciel (1966, símbolo da companhia aérea Sabena) partilhava com Man Ray e Marcel Duchamp. Mas havia paixões que Magritte não partilhava.

Georgette, sempre Georgette
Ela está por todo o lado. Nos quadros, nas fotografias, nas cartas e nos poemas. Mesmo quando não temos a certeza de que é a ela que Magritte se refere, Georgette está lá, com os olhos grandes, claros, entrando nas sessões fotográficas do marido - com um cachimbo sobre a cabeça pousada na areia ou enrolada num lençol branco amarrotado, divertida - ou como destinatária invisível de uma mensagem, de um esboço.

"No museu há um lindo poema de amor, que provavelmente seria para Georgette, mas não temos certeza", lembra a directora do projecto. A meio do papel amarelecido, escrito à mão, pode ler-se: "Tenho o coração desta mulher. (...) A dois, o nosso poder serve-nos para inventar um empreendimento surpreendente..."

"Magritte era louco por ela, isso sabemos. Há uma carta de 1922 em que admite que não consegue trabalhar por estar demasiado apaixonado. Não consegue pensar em mais nada." Magritte e Georgette conheceram-se em 1913, escreve Marcel Paquet em René Magritte: O Pensamento Tornado Visível. Ele tinha 15 anos e ela não chegara ainda aos 13. Foi nesse dia, em Charleroi, que andaram pela primeira vez de carrossel (não sabemos se René se atreveu a segurar-lhe na mão). Reencontraram-se em 1920, no Jardim Botânico de Bruxelas, e nunca mais se separaram - Georgette passou a ser o seu modelo e, dois anos mais tarde, também sua mulher.

"Estavam sempre juntos", diz Devillez. "Passamos horas a ler os documentos e chegamos à conclusão de que eles não viviam um sem o outro. Parece um filme. Magritte faz-lhe as vontades, muda de casa porque ela quer um jardim, muda de país porque ela se sente sozinha [foi assim durante a Segunda Guerra Mundial, quando troca o Sul de França por Bruxelas, onde ela ficara]..." Aparentemente, o pintor não tinha dúvidas de que valia a pena. "Feliz aquele que atraiçoa as suas convicções pelo amor de uma mulher", escreve.

O inquieto
Profundamente influenciado pela obra de De Chirico - outro dos grandes do surrealismo -, Magritte desenvolve um universo muito singular, opondo-se por vezes às directrizes da "escola" francesa, liderada pelo poeta André Breton, com quem mantém uma tensa relação de amizade, desde 1927, quando o belga se muda para Paris e os dois partilham horas de trabalho e boémia com o pintor Marcel Duchamp e outro poeta, Paul Éluard. Nos três anos parisienses do casal Magritte, o pintor torna-se mais livre. Graças a um contrato com uma galeria tem um ordenado e não precisa de perder tempo a trabalhar em publicidade.

"Aqui consolida-se a sua forma de pensar a pintura. O que lhe interessa nela não é a técnica, mas a poesia", explica Devillez. "Magritte não é um espontâneo. Quando começa a pintar, sempre muito lentamente, tem o quadro todo na cabeça, sabe exactamente que tipo de reacção procura do observador." É um "criador de mistérios" que dizia muitas vezes que pintar era cansativo porque implicava pensar de mais.

Quando se percorrem as galerias do novo museu, sente-se a inquietação que marca a sua produção artística, tanto nos quadros mais populares, como La Magie Noire, como nos do chamado período vache, mais luminoso e lúdico, apesar de por vezes muitíssimo duro, inaugurado em 1947 como reacção a uma ruptura com Breton (L'Ellipse e L'Art de Vivre). "A colecção vache que temos no museu, e que influenciou alguns artistas contemporâneos, é muito significativa", acrescenta a conservadora, para concluir que nesse período, como nos restantes, Magritte se mantém sempre distante. Mesmo quando escreve coisas aparentemente simples como estas: "Amo o humor subversivo, sardas, joelhos, os cabelos compridos das mulheres, os sonhos das crianças, a rapariga que corre pela rua."

O P2 viajou a convite da Brussels Airlines e do Turismo da Bélgica



Le Galet, de 1948, exibe toda a sensualidade feminina, um dos objectos de trabalho preferidos de Magritte durante o seu período vache, em que reage às críticas de André Breton. Clara influência de Matisse

L'Île au Trésor (1942) é uma das obras mais importantes da colecção do Museu Magritte. É pintada em plena Segunda Guerra Mundial, com Magritte e Georgette a viver em Bruxelas N'O Jogador Secreto, de 1927, há um jogo misterioso. Nele há um equilíbrio entre o real e o surreal, diz Devillez, e uma primeira experiência de misturar o natural com o imaterial (nas colunas)

O Império das Luzes, de 1954, é das mais desafiantes obras do pintor belga. Há uma sensação de estranheza quando a olhamos que só se dissipa quando percebemos o jogo - Magritte pinta uma cena nocturna sob um céu diurno



pintado por Rita às 20:14
link do post | comentar